Ventos calmos não formam bons marujos

Nenhum comentário

6113634783_7e812bd82d_b

Liderança é sempre um tema em alta. Independente de tudo que já vimos a respeito, sempre há algo a ser explorado ou melhor definido. Afinal, ser líder é um desafio em tempo integral. Lidar com diferentes personalidades, uso da linguagem correta, a carga ideal de acordo com perfil de cada liderado. E os desafios não param por aí.

Um líder inspira, aponta o caminho e explica porque temos de percorrer esse percurso. Está junto em todas as dificuldades e sabe dialogar. É transparente e justo. Líder inspira.

E inspirar as pessoas a segui-lo e aprender junto com os desafios que surgem pelo caminho.

E quando o caminho não está muito claro, ou não parece estar com uma estratégia objetiva. Ambíguo eu diria. Quem viveu situações deste tipo sabe bem como é difícil no dia a dia executar atividades sem ter certeza se é o correto ou esperado.

As opiniões mudam o tempo todo de acordo com vento. Isto não é nada legal. Em grandes processos de mudança aqueles que deveriam indicar o caminho, podem estar mais perdidos que cego em tiroteio.

Tive a experiência de ver gerentes e diretores não chegarem a um acordo. E o que prevalece não é o melhor para empresa ou cliente, mas o crachá. Phoda tio. O ego é um grande problema quando os caras do Olimpo não estão interessados em resolver o problema.

Lendo um artigo de Lisa Lai sobre Gerenciando quando o futuro não está claro. Não pude deixar de ter um mini flashback e recordar fortes emoções de trabalhos inúteis, apresentações sem sentido para agradar um, sem foco em resultado.

Neste tema ela traz pontos importantes quanto ao papel de líder. Que a empresa pode ter um modelo de gestão ágil o suficiente para definir uma estratégia para tentar corrigir o problema, mas e os times estão alinhados?

Quando não há uma estratégia definida, muitos líderes não sentem confiança para tomar a frente e definir ações. Enquanto outros, mesmo com caminho obscuro conseguem levar a empresas a patamares melhores, demonstrando que ações simples podem gerar grandes resultados.

A capacidade de definir uma direção concreta e realista, muitas vezes é ousada e também baseada no conhecimento base de histórico passados. E alinhado a isto, ela coloca alguns pontos muito importantes.

Seja produtivo. Não importa a incerteza, entregue! Fazer parte do time que senta e espera é tocar música enquanto o navio afunda. Seja pragmático, se a solução é complexa, apresente um plano de curto, médio  e longo prazo e quais os resultados esperados.

Entregar o básico. Entregar valor ao negócio. Muitas vezes dentro das empresas existem áreas e departamentos a acabar de vista. E isso não significa que é nossa responsabilidade. Seja responsável pelo que pode controlar.

Isso não significa delegar o problema, mas estar sabido até onde me cabe e onde começa a responsabilidade do outro.

Significa que o erro ou falta de comprometimento do outro não pode ser motivo da nossa falta de entrega. Como podemos ser mais assertivos, inteligentes para entregar o melhor resultado? Mesmo com a falta de objetividade pode-se entregar um bom trabalho pode ajudar a empresa nestes momentos difíceis.

Ações Inteligentes. Pensar a frente do negócio é um desafio enorme. Antecipar o que é provável dou que é improvável. Quando se está a frente de um projeto a bastante tempo, por mais que falte direção existem processos que não mudam.

Conhecendo a dinâmica da empresa e do cliente nos permite antecipar ações para minimizar ou eliminar algum impacto que possa ter. Prepare o time e o cliente para futuro afinal, a falta de clareza também pode estar por parte do cliente.

Adote estratégias de curto prazo, foque o time na geração de valor sobre o que prioridades. Contribuir para geração de valor para o negócio. Lembra do básico? Quando entregamos o mínimo possível, gera confiança.

Cultive a estabilidade emocional. Quando há metas claras e definidas você se concentra em atingir seus resultados, mas quando não há? Será uma oportunidade para zona de conforto ou insegurança? Quando passamos por grande mudanças podemos passar por estes dois estágios. E aqui vai três passos para ficar longe disso:

Seja Proativo. Esteja à disposição para o time e a empresa. Buscar solucionar o problema, propor estratégias que alinhado a necessidade do cliente e da empresa podem trazer resultados palpáveis.

Ações que gerem valor beneficiam não apenas um, mas todos. Desta forma mantendo o time integrado e alinhado com resultado. Quando você se colocar para ajudar isto gera exemplo e atitude. O que precisamos é pessoas que tome ação ao invés de ficar esperando.

Emoções. A emoção tem um papel fundamental neste processo. Tranquilidade e transparência traz confiança e engajamento. Reconhecer os mesmos sentimentos do restante da equipe alinhado para o pior e melhor cenário.

Nada de respostas sobre estresse, pressão ou rumores. Lembre-se, clareza e transparência. Debater os rumores (Famosa rádio peão), ajuda acalmar corações. Muitas vezes a única coisa que queremos ouvir é que nada vai acontecer, que nada vai mudar.

Um dos maiores medos do ser humano é a mudança. Basta dizer que tudo vai mudar na empresa e pronto. Vira um pandemônio. Saber conduzir nestes momentos é um grande desafio, para manter todos alinhados, sem recuar nas entregas ou na capacidade de assumir desafios.

Por isso, a transparência e tratar somente o que é fato é a grande solução. Pode mudar tudo como pode não acontecer nada, seu time vai continuar confiando na sua liderança. Afinal não quer ser conhecido como mentiroso ou fazer falsas promessas.

Comunicação aberta. Em momentos de estresse e mudança, pode fazer com que os gerentes se comuniquem menos com o time. Em momentos destes a comunicação tem que ser muito maior.

Com incertezas é importante demonstrar estabilidade emocional, compartilhar emoções para que todos sintam que fazem parte daquele momento. E faz bem deixar todos expressarem e juntos debaterem sobre isso.

A comunicação aberta traz a confiança do time para diálogos francos. Ajuda com as emoções e tira peso das pessoas e do líder.

Líderes, buscar ajuda com outros gerentes mais experientes para aconselhamento e apoio emocional é de grande valor. Ter outros pontos de vista ajudam muito abrindo horizontes para novas soluções.

Quanto mais aprendemos sobre em momentos difíceis, melhoramos nossa capacidade de lidar com pessoas e também uma agilidade estratégica. Leitura de livros, artigos, podcasts, palestras. Tudo isso agrega muito conhecimento e melhorar habilidades ou desenvolver novas habilidades.

A capacidade de prosperar durante períodos de incerteza estratégicas, formam líderes excepcionais. Não permita que a falta de clareza da empresa afete sua capacidade de desempenho. Mesmo em situações mais desafiadores, esteja comprometido a agir de maneira pragmática, correta e com estabilidade emocional.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Foto do Google

Você está comentando utilizando sua conta Google. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s